JCast 100 – Parte 2

São cem edições, ou melhor, cento e dezessete edições reunindo vários tópicos referentes a cultura pop japonesa. Tanto material disponível, e ninguém pagou um centavo por ele, logo, nós também não ganhamos nada. E ainda assim a gente comemora. “Esse bando de maluco merece se ferrar”, pensa o grumpy old guy da esquina, mas nós reiteramos nossos votos. Em época de festas, não há melhor momento para pensar e refletir: o que ganhamos com essas 100 edições e esses anos todos fazendo esse troço? E o que perdemos? Tirando nossa moral e auto-respeito, até que não perdemos muito. E ganhamos muito mais, certamente. Por isso, embarquem conosco nessa nostálgica recapitulação de (quase) todo mundo que já teve colhão de meter a voz nesse podcast.

Blocos:

(00:01:48-00:17:50) Tai
(00:17:56-00:19:26) Mensagem de Voz: @ruanmyv e @diego_Sensei
(00:19:43-01:05:23) Yu Ming
(01:05:35-01:07:00) Mensagem de Voz: Lica-chan
(01:07:36-01:45:50) Yohan
(01:46:04-01:46:37) Mensagem de Voz: J-Wave
(01:46:58-02:13:39) Glassy

Acessem: Fórum Oniverso

E é isso, o JCast volta em mais ou menos 3 semanas, dia 8 de janeiro (dia 13 na Kombo), com algumas novidades. Nossa cabeça tá cheia de idéias, e isso sempre é perigoso, pois pode acabar saindo algo capaz de enlouquecer o mais são dos seres. Mandem emails para [email protected], boas festas, bom Suzumiya Haruhi no Shoushitsu e bom especial de Natal de Doctor Who pra todo mundo, até daqui a pouco-mais-de 20 dias!

JCast 100 – Parte 1

São cem edições, ou melhor, cento e dezessete edições reunindo vários tópicos referentes a cultura pop japonesa. Tanto material disponível, e ninguém pagou um centavo por ele, logo, nós também não ganhamos nada. E ainda assim a gente comemora. “Esse bando de maluco merece se ferrar”, pensa o grumpy old guy da esquina, mas nós reiteramos nossos votos. Em época de festas, não há melhor momento para pensar e refletir: o que ganhamos com essas 100 edições e esses anos todos fazendo esse troço? E o que perdemos? Tirando nossa moral e auto-respeito, até que não perdemos muito. E ganhamos muito mais, certamente. Por isso, embarquem conosco nessa nostálgica recapitulação de (quase) todo mundo que já teve colhão de meter a voz nesse podcast.

(00:01:05-00:13:41) Introdução

Aqui especificamos um pouco do que se tratará a edição, e fornecemos uma idéia geral do clima meio sem rumo que permeará o resto do programa. Ninguém bebeu dessa vez, mas quando não existe um tema central para nos preocupar ficamos meio “felizinhos” demais. Isso não é um grande problema, lógico, é praticamente uma forma que achamos de introduzir a maior das integrantes do Jcast, a “Falta de Sentido”. A pobre coitada é incorpórea, então tentamos fazer nosso melhor.

Blocos:

(00:14:31-00:20:09) Mensagem de Voz: Sofia
(00:20:19-00:49:41) Dychan
(00:50:08-01:02:13) Boo
(01:02:29-01:05:36) Mensagem de Voz: Shoujocast
(01:06:20-01:44:27) Otsu
(01:44:49-01:46:49) Mensagem de Voz: José Veríssimo

JCast Reviews #35

É hora de mais reviews, nessa semana ligeiramente conturbada. Se o material teste não aproveitado produzido nessa edição pudesse ser convertido em comida, tiraríamos a razão de ser do Bolsa Família. Para os “audio-freaks” out there: vocês são loucos! E ser chamado de louco por um de nós não é pouca coisa. Tem que ser lunático para ganhar essa honra. Batalhas-com-novos-equipamentos à parte, nos permita adentrar seus tímpanos mais uma vez, e irreversivelmente contaminar seus neurônios com informações que você vai desejar nunca ter possuído, mas que farão sua vida mais completa.

(00:01:26-00:07:42) Introdução

Silas Malafaya deve ter nos avisado, mas procurando em seus vídeos espalhados no youtube, ainda não consegui achar. Tenho certeza, porém, que se uma importadora deixou entrar em solo nacional a placa de som do demônio, nosso pastor homofóbico favorito não iria deixar barato. De todo modo, agora a placa está neutralizada, e podemos nos preocupar com coisas mais edificantes, como formas de piratear Osamu Tezuka. O cara morreu antes do advento internético, então talvez seja por isso que é impossível achar material seu para download ilegal. Alguns curtas aqui, mangá completo de Astro Boy ali, e esse padrão está se rompendo. Avante, piratas! Não traiam o movimento.

(00:08:02-00:39:02) Riding Bean

Riding Bean é uma lenda inglesa datada do século XVI, que conta a história de um grão de feijão e sua motocicleta. Ahn… movida à vapor, obviamente. Riding Bean é a primeira história infantil steampunk. E ele morre no final. É assim que histórias infantis dessa época terminavam. Disney nos acostumou mal. Quando você descobre que a Pequena Sereia morre virgem e frustrada, sua vida muda completamente. Ok, na verdade não. Ouçam e descubram quem Riding Bean realmente é.

(00:39:33-00:56:52) Gunsmith Cats

Não dá pra falar de um sem falar do outro. Essa obra já é mais conhecida, e é derivada da primeira. Então aproveitamos o clima e damos uma pincelada no OVA de 3 partes, e no mangá. Gunsmith Cats daria um ótimo Live Action, por sinal. Com tantas adaptações óbvias, pedindo para serem feitas, eles insistem em Fruits Basket, por exemplo. A única coisa que precisaria ser adaptada e que me deixaria um pouco incomodado, é a idade da Minnie May. E ela nem é tão Jail Bait assim. Talvez só um pouco, Konata-ish. Só sei que respeito quem faz o teste do sofá para manter um disfarce e gosta disso. Mesmo tendo 17 anos e aparentando 14. Ninguém pode dizer que fanservice lolicon é coisa dos anos 2000.

E o JCast volta semana que vem, se o mundo não acabar até lá! Nesse momento estou digitando sem enxergar o monitor, de tão intensa que está a neblina. Os emails vão para [email protected], que eu dou um jeito de ler. Até semana que vem!

O JCast Reviews #35 foi embalado ao som de:

Gunsmith Cats e Riding Bean OSTs

OST significa Orbital Satellite Terranigma,  o satélite responsável pela formação de charadas em nossa massa terrestre. A música que rege as palavras proferidas nesse podcast provêm das ondas que ressoam durante o processo de Terraformação Enigmática, crucial para a sustentação de nosso universo. Não sabemos ao certo o porquê dessas ondas serem liberadas como resíduo do procedimento, mas algumas vertentes mais místicas (e de pouca credibilidade) acreditam que possa ser simplesmente isso: música, mas de outro universo, que escapa para o nosso devido à grande quantidade de Realitofibra envolvida no processo de extração e modificação das lâminas porosas sobre as quais vivemos.

JCast Goes Off #8

O JCast número 100 já tá quase aí e, no caminho para ele, resolvemos desencavar um Goes Off que já devíamos ter feito faz tempo. Não, não é o de Lost. Não, também não me olhe com essa cara. Torchwood, nosso spinoff favorito de nossa série favorita, é um assunto que já tá na lista faz tempo, e resolvemos tirar esse peso das nossas costas. É o JCast se livrando de seus fantasmas: primeiro Gundam, agora Torchwood. Qual será o próximo?

(00:01:02-00:11:04) Introdução

O Laivindil viu Harry Potter à meia noite, e gostou. O Darko desistiu de ver os primeiros episódios dos animes que faltavam, após não resistir e estar acompanhando 3 animes da temporada. A Boo não falou quase nada, e ficou lendo o Bátima. O Luan nem nesse programa tá. O nosso microfone ainda tá meio ruinzinho, mas pelo visto no próximo programa estará tudo ok novamente, os problemas já foram localizados e resolvidos. E a Natty Renata mandou o presente mais fofo do mundo, graças à carta com papel do Ursinho Puff (somos a resistência, nada de Ursinho Pooh!) que acompanhou seus dvds de dorama.

(00:11:16-01:08:10) Torchwood

Que Doctor Who é nossa série favorita de ficção científica, não há mais dúvida alguma – afinal, em um podcast de cultura japonesa, sempre damos um jeito de enfiar o assunto em algum lugar. Torchwood é o Doctor Who que não pensa nas criancinhas que se escondem atrás da cama. Aqui temos sexo, violência, personagens importantes mortos impiedosamente e o Capitão Jack Harkness dando em cima até mesmo de uma cadeira massageadora do século 37 que vibra em 456 frequências e meia. Tudo isso em um retrato cru da humanidade, usando o sci-fi como pano de fundo. Se você ainda não viu nada de Doctor Who, tá passando da hora: iremos te perturbar até que você se renda e veja!

E é isso, pessoal. Lembrando que estamos a apenas três semanas de distância para o JCast número 100, então mandem áudios e emails para [email protected]. Até semana que vem!

O JCast Goes Off #8 foi embalado ao som de:

Torchwood Children of Earth Original Soundtrack

Essa trilha retrata bem o clima tenso e corrido dessa minissérie, que é uma das coisas mais intensas que já vi. Consequentemente, o JCast deve ficar tenso. Caso a tensão seja insuportável, peça uma massagem pra sua namorada (ou namorado, mesmo se for um cachorro). Ou pra sua mãe. Ou se faça uma massagem. Ou compre a cadeira massageadora do século 37 que vibra em 456 frequências e meia. Mas não nos processe.