JCast #151

Rant: A gente reclamando da vida e falando mal de todo mundo
Trend: Renúncia de Naoto Kan
Papers: Holdouts

Participantes: Darkonix e Laivindil

Todo sábado tem JCast e o Jô no SBT começava às 23:30 em ponto. A novela das nove um dia se chamou das oito, embora começasse nove e meia e nunca ninguém se importou. Nós podemos então continuar saindo todo sábado-que-na-verdade-é-quarta… ou quinta. Tempo é relativo e JCast é transcendental. Sem mais delongas, esse episódio traz um pouco de discussão para enriquecer sua conversa no barzinho. Lógico que como resultado todos os seus amigos irão embora revirando os olhos. Só permanecerá do seu lado o mais inteligente, que obviamente é o mais chato. Diversão e informação não andam juntas. Nós aqui tentamos chegar perto do ideal. Ouça nossas duas horas de tentativas frustradas, logo abaixo.

(00:01:08-00:21:47) Rant: A gente reclamando da vida e falando mal de todo mundo

Disco ibiza loco mia; Moda ibiza loco mia; Loco ibiza loco mia; Sexo ibiza loco mia; Mar ibiza loco mia; Sol ibiza loco mia; Marcha ibiza loco mia; Crazy ibiza loco mia.

Trilha: Soko – Not Sokute

(00:22:40-00:42:09) Trend: Renúncia de Naoto Kan

Mãe!!! O Japão pode ter um novo chefe de estado a cada seis meses, por que nós temos que ficar com o mesmo há 12 anos? Essa não dá pra responder, mas dá uma invejinha, vai. Todo dia você pode acordar e descobrir que todo o parlamento se matou de vergonha ou fugiu pra Atlântida. E aí você tem todo um elenco novo. Na onda dos reality shows, espero algum que siga o primeiro ministro japonês na sua jornada de resignação. Aqui damos uma pincelada de leve nos acontecimentos políticos japoneses das últimas duas ou três semanas. Ignoramos completamente, pra ver se ia vingar. Até o fechamento dessa edição, nenhum político havia se jogado aos tubarões.

Trilha: Sambomaster – Utsukushiki Ningen no Hibi

(00:43:10-1:13:36) Papers: Holdouts

Imagina você ficar mais de 30 anos isolado do mundo, fazendo a mesma coisa? É, eu sei, é assim com todos, nem precisa imaginar. Mas os Holdouts aguentaram todas as intempéries naturais e permaneceram firmes em seu emprego. Nós às vezes reclamamos do nosso, mas pelo menos temos salário mensal, horário pré-definido e não faz parte de nossas funções matar filipinos. Bem, se faz parte das suas, me perdoe. Nada contra seu trabalho, eu não conheço nenhum filipino. Acompanhe a história de caras que eram pra ser heróis, se não fosse por alguns mal entendidos e munição que não acaba nunca.

Trilha: Salyu – S(o)un(d)beams

Então, né, gente, mandem emails para [email protected], e até semana que vem!