Knurd Report #30

Participantes: Darkonix e Laivindil


Download

(00:01:23-01:08:56) Complainers 2: Age of Mimimi
– Política
– Sexismo
– Critérios de análise

(01:08:56-02:14:28) Super-heróis gerando caos: no meu tempo eles se chamavam vilões
– Batman v Superman
– Suicide Squad
– DC Cinematic Universe
– Ant-Man (Spoilers!)
– Marvel Cinematic Universe

(02:14:28-04:28:07) Destrua Plot Twists: mas mantenha o penteado
– Jurassic World
– Jurassic Park
– Mamma Mia!
– Coisas que meu pai curte
– Terminator Genisys (Spoilers!)
– The Cabin in the Woods (Spoilers!)
– Monsters Inc.
– Divertidamente
– Frozen
– Minions
– Bling Ring
– The Princess Bride

(04:28:07-05:46:21) Tim Burton brasileiro faz carnaval gótico: isso quase soa como uma manchete verdadeira
– Amorteamo
– Verdades Secretas
– Felizes para Sempre
– Rick and Morty
– Community
– 12 Monkeys
– Supernatural

(05:46:21-06:37:55) Extra Knurd condensado: desconstruindo nossa desconstrução
– Mangás
– Laivindil passando fome
– Quarteto Fantástico
– Pitch Perfect
– Pitch Perfect 2
– King of the Nerds UK
– Masterchef Brasil

Email: [email protected]

Músicas nesse programa:
One Direction – Drag me Down
Riz MC – All Of You (feat. Aruba Red & Plan B)

  • Vinicius

    Ok, vamos devagar,

    Compreendo a crítica de vocês em termos de magnitude (culturalmente o estupro da mulher tem mais impacto do que o abuso contra o homem, etc). O que eu quis dizer nos comentários anteriores não foi uma questão de; oh sou um homem, como eu sofro com as expectativas da sociedade em relação a mim”. Muito pelo contrário, a questão central é de empatia e de ver o outro como igual, e justamente a seletividade do discurso contemporâneo em relação as questões de gênero quando se trata dos homens, e justamente, não é por querer desmerecer a luta das mulheres, mas expor a total conivência dos males do “patriarcado” (entre grandes aspas, imensas, já que para mim a questão supera o discurso de gênero) ao próprio homem.

    Em algum ponto o Lavin fala: “ninguém vê que aqui aconteceu um homicídio, ninguém aqui está na vibe de não matar?”. E é justamente aí que está a raiz da questão que acaba sendo ignorada. Vamos ser bem diretos neste ponto e estabelecer dois postulados que são fundamentais para esta discussão: ninguém merece ser vítima de violência e a vida/sofrimento de ninguém vale mais do que a vida/sofrimento de outrem.

    Todos de acordo? Pois então, vamos as estatísticas.

    O anuário de segurança pública aponta que no ano passado tivemos uma média de 50 mil casos reportados de estupro e violência sexual no Brasil, segundo os dados sobre casos apurados, vemos que esse número pode chegar aos 130 mil. Esses dados abarcam os dois gêneros, mas pode-se supor que as mulheres sejam as vítimas mais comuns por base de 90% (nos casos de abuso sexual, homens são cerca de 25% das vítimas, já nos casos de estupro são uma parte insignificante, sobretudo por conta de casos não reportados). Esta é uma situação bastante complicada, e certamente a cultura do estupro deve ser erradicada, não há dúvida nenhuma nisso, sobretudo pelo fato que especialmente nestes casos, uma parcela ínfima dos estupradores é levado a justiça.

    Por outro lado, nestas mesmas estatísticas vemos que a número de homicídios no Brasil também bate a casa dos 50 mil casos (com uma distorção menor de casos não reportados, logicamente), com uma média nacional de 91% das vítimas sendo homens. Do mesmo modo a população carcerária masculina compõe 94% do total, e nas profissões com o maior risco operacional, como a polícia temos um contingente de mulheres de apenas 8%.

    Em uma perspectiva histórica mais ampla, em qualquer período onde exista conflitos armados – e não estou falando de idade média ou segunda guerra mundial, mas sim situações bem recentes, como conflitos no Oriente médio e na Africa, a média de mortalidade masculina é 50% superior a feminina (contando mortes diretas tal como as ocasionadas por situações de colapso social), sendo que a maior mortalidade feminina fica na casa dos 0-4 anos, enquanto a mortalidade masculina está concentrada na faixa dos 16-29, demonstrando uma clara correlação entre expectativas de gênero e mortalidade.

    A conclusão que se tira disso tudo é que em nossa sociedade a vida do homem é percebida como mais descartável do que a da mulher. E veja como isso se reflete na própria criminalidade e por sua vez na própria percepção do machismo.

    Como então se explicaria o fato de um jovem negro e pobre ser dez vezes mais propício a cometer um crime, se envolver em atividades perigosas, ou morrer do que uma jovem igualmente pobre e igualmente negra se não as próprias expectativas que a sociedade impõe sobre qual deve ser o papel de um homem? Para esses jovens o ideal de um valor masculino que se mede a respeito do seu dinheiro ou sucesso ainda é muito vivo, um homem de verdade tem que TER, independentemente dos atos necessários para isso (o que incidentemente se reflete nos casos de estupro, já que é uma cultura que diz que o homem tem o direito masculino de tomar a força o que quer).

    Do mesmo jeito este pensamento leva a uma distorção da percepção do homem em relação ao seu papel na sociedade, não é a toa que na maioria dos lugares a taxa de suicídios masculinos em relação aos femininos fica em torno de 4:1 chegando até mesmo em 10:1 em certos lugares do planeta.

    O que eu quero dizer com isso tudo é que é necessário formar um discurso que seja coerente com uma perspectiva dos postulados que coloquei logo ali atrás, que ninguém merece ser vítima de violência e a vida/sofrimento de ninguém vale mais do que a vida/sofrimento de outrem, colocando em foco essas distorções do nosso discurso que teve muita influência do feminismo de base mas que olhou muito pouco para o outro lado das questões de gênero, nos dando um entendimento muito tendencioso do panorama geral.

    Veja bem, isso se demonstra nesta mesma discussão sobre GoT, onde o Laivin dá um exemplo enfatizando o sofrimento da Sansa (ela é objetificada, será perseguida para sempre por ser propriedade de alguém, não tem possibilidade de mudar seu destino), quando os mesmos critérios se aplicam ao Theon, que é igualmente “propriedade” do Ramsey, e do mesmo modo sofre abusos físicos e morais constantes. Ainda que esta questão não tenha o fundo de gênero, só demonstra que estamos mais lenientes quando é um homem que é vítima do sofrimento, justamente porque esta discussão não foi objeto de crítica. Afirmação que é ainda mais válida quando vemos quantos outros homens morreram na série exercendo atividades consideradas masculinas, como guerreiros e soldados. (a nível de curiosidade até a 4a temporada da série foram confirmadas 133 mortes “on screen”, sendo que destas, apenas 17 foram de mulheres.)

    Ainda que soe um pouco contraditório com o pressuposto de que o sofrimento de ninguém é mais importante de que de outrem, acho que podemos concordar que entre ser uma vítima de estupro e estar morto, na maior parte das vezes é preferível o primeiro caso, já que enquanto estamos vivos ainda é possível mudar a nossa realidade.

    Enfim, sei que divaguei demais, mas acho que é um esclarecimento necessário aos pontos apresentados. Como já disse antes, meu ponto não é pintar os homens como coitados, nem criticar as lutas feministas (pelas quais eu tenho grande respeito), nem estabelecer um contraponto que desmereça a discussão sobre a opressão da mulher. Mas sim oferecer uma opinião sustentada por dados que uma hora deve ser confrontada em prol de uma verdadeira igualdade entre gêneros. Nesse caso não é possível aceitar o argumento de que como isso é culpa do “patriarcado” os homens tem que arcar com estes ônus em prol do “privilégio masculino”, já que isso legitimaria o pensamento de que o homem é de alguma forma merecedor do seu sofrimento unicamente por ser homem, coisa que se for aplicada a mulher soa extremamente machista.

    O primeiro passo para resolvermos estes problemas é justamente admitir que eles existem, e que por mais que vocês não sofram com as consequências dele, muita gente sofre. E digo isso com a certeza acadêmica de quem estudou criminologia e trabalhou com menores em situação de risco, tanto quanto quem pelo lado pessoal já chegou próximo ao suicídio justamente por questões que tem base em expectativas de gênero.

    Enfim, se tiver ânimo volto depois para dar uma pincelada na política.

  • aldrey

    Vou ser bem sincera e dizer que nem me lembrava muito bem do que tinha escrito no meu antigo comentário, mas obrigada pelos esclarecimentos. Acho que o que eu quis dizer não ficou muito claro, minha confusão era de quando vcs analisam algo com base nos seus gostos e quando não, porque às vezes eu sinto uma inconsistência. Mas entendo que as opinões de tudo que qualquer pessoa leia ou assista vão depender do gosto e impressões e expectativas próprias, a não ser que vc seja parte de um grupo ou seja muito influenciável, acho, mas enfim entendi o que vocês quiseram dizer.
    Vocês citaram watchman e sin city se não me engano e isso me fez pensar em como eu to sentindo falta de um filme baseado em comic que seja mais autoral e impressionante visualmente espero que sandman aconteça e seja um filme desses e de qualidade. Enfim eu gosto de filme de super heróis embora eu não assista todos, tem muito filme saindo de muitas companhias diferentes e por um lado isso é bom porque significa que eu posso ir atrás do estilo que eu mais gosto, mas por outro é como se vc comesse a sua sobremesa todos os dias e ela deixa de ser tão especial como era, e você ainda gosta mais pensa que é melhor não comer com tanta frequência pra não acabar enjoando. Se ouvesse uma maior variedade não só nos tipos de histórias mais no jeito como elas são apresentadas acho que eu não me sentiria tanto assim.
    Eu lembro de dar uma lida bem por cima dos comentários do knurd passado e eu decidi não me envolver nessa discusão de got, mas sinto que o problema na produção de qualquer peça de entretenimento se deve fato de ter pouca diversidade na parte de criação do que de fato é publicado, mas não se limita a isso, também há uma falta de empatia e falta de diálogo e troca de experiências. Porque os autores ao escreverem qualquer coisa se colocam na posição de grupos diferentes e eles não necessariamente terão as mesmas impressões que as pessoas que integram esses grupos têm. Se eu chegar e falar como são as experiências de ser mulher pra outra pessoa, primeiro que vai ser uma experiência limitada porque ser mulher tem problemas genéricos que todas mulheres enfrentam mas tem especifidades que se misturam com as de gênero, ser uma mulher nordestina pobre hétero negra em sp é diferente de ser sei lá uma mulher branca lésbica rica judia em nova york, óbvio. Segundo ainda assim a pessoa não necessariamente vai compreender o peso que certas experiências tem porque muitas delas são um resultado de uma construção de séculos que moldou o que tais experiências significam pros diferentes gêneros e estão muito intrínsecas ao problema que é até difícil enxergá-las como um problema pq costume,tradição, hábito, acomodação e conformismo são elos muito fortes dessa corrente e é dificil quebrar. Diálogo é sempre importante.
    Agora sobre got, a parte mais interessante do livro pra mim é a história o universo de westeros e o mistiscimo e não os personagens, mesmo pq desde o começo vc já sabe que todos personagens ali são descartáveis – né a maioria morre- e pra mim a história de cada personagem é só um meio pra contar a história do mundo que esse autor criou. Eu gosto do livro apesar de eu ter muitos problemas com ele, a impressão que tenho é todos personagens são arquétipos desse tipo de história de “fantasia histórica” – não sei como caracterizar mesmo – só que o autor consegue fazer com que alguns deles sejam mais complexos e vão além daquele molde que ele usou para criá-los.
    Mas sinceramente, quando vc para pra analisar os personagens femininos… a cersei tem a história definida pelo fato de ser mulher e ser incapaz de alcançar as ambições dela por isso, e vc torce por ela em determinado momento mais ela decepciona pq de repente toda a ambição que ela conquistou vai ser jogada fora por uma vaidade, ela não é mais jovem e bonita e se sente ameaçada por outra mulher e isso a impede de ser inteligente como ela havia sido antes, ai ela é julgada por td que ela fez pra chegar lá mas a impressão que fica é que ela ta sendo julgada mais pelo incesto e pelo fato de ela ter dormido com outros homens e enfim a maioria das pessoas não vão se importar com o tratamento dela pq ela é do mal e “ela merece”. A catelyn tem a história baseada no fato dela ser mãe e até depois da morte essa vai ser a principal motivação pra tudo que ela faz. A brienne é a personagem que é firme nos ideais e nos princípios dela mas ao mesmo tempo algumas decisões que são definidoras pra caracterização dela são voltadas pela influência que os homens tiveram na vida dela, desde do prometido dela, do fato de ser “feia” pros padrões daquela sociedade o que não ia permitir que ela adotasse a única função que se esperava dela – que era ser uma noiva -,ou deixar o pai orgulhoso, ou o fato de toda lealdade e amor que ela sente pelo renly ser baseado no simples fato dele ter feito o mínimo que é reconhecê-la como um ser humano capaz de mostrar simpatia e ter se sensibilizado pelo que aconteceu com ela, e ai óbvio que contra todos os princípios dela, ela vai se apaixonar pelo jammie que desde o começo ela odiava pq ele representava td que ela ia contra o que ela defende mais ele agiu como ser humano algumas vezes e mostrou que apesar de td ele não é um cafageste pq ele fez o mínimo que um ser humano deveria fazer e a salvou ou ajudou-a a se salvar, e vc fica sério bri, seus padrões são tão baixos assim que vc vai se apaixonar por qualquer homem que mostre o mínimo de compaixão por vc, sai dessa vida por favor. O que é muito frustrante pq quando a cat e a bri estão juntas vc pensa ótimo pq agora teremos uma relação entre “dama e cavaleiro” só que entre duas mulheres, mas a história não vai por aí óbvio. E tem a danny tbm que começa como a garota pura underdog que todos se aproveitam mais é transformada na rainha fodona super habilidosa ao lidar com qualquer negociação política pq ela sabe sempre o que fazer e sabe que tática usar na medida certa, mas vira a mãe suprema, conquista todos aqueles territórios só pra no final ter que fazer a escolha de manter td que ela conquistou através de um casamento por causa dos “filhos” dela. Mas enfim tbm tem outras personagens ótimas a asha que era a mais livre de todas que não teve o impedimento da cersei de não poder fazer o que quer por ser mulher pq teve apoio do pai e tem apoio dos homens da tripulação dela, e mesmo que parte disso seja tirado dela e que ela tenha o fim que teve pra mim ela é uma das melhores personagens femininas; as mulheres selvagens são todas personagens boas não pelo simples fato delas serem guerreiras, mas pq elas são livres e as limitações da sociedade de westeros não se aplicam a elas, até certo ponto pq elas não são muito desenvolvidas. Eu foquei nas personagens femininas mais eu sei que os personagens masculinos também tem os papeis delimitados por moldes parecidos só que adaptados pro que se espera de um homem.
    Outra coisa que me incomoda muito é que eu já vi muita gente enaltecendo o autor por escrever personagens lgbt, só que sim eles existem, mas sério que ele merece ser colocado num altar só por ter criado personagens lgbt sem ter o esforço de retratar esses personagens direito. pq os personagens existem eles estão ali mais o que vc vai ter vão ser: a) insinuações de que tal personagem é gay por conta do relacionamento dele com outro, um relacionamento que não foi explorado nem vai ser, mas pelo menos fica definido que era alguma coisa a mais do que sexo, só que de que adianta citar e deixar no ar, o personagem não precisa ser limitado pelo fato de ser gay mas pq então oferecer um relacionamento e explorar isso pra outros personagens heteros, ainda mais quando isso não faz diferença alguma pra história deles, e não fazer o mesmo por um personagem homo ou bi; b)vai estar tão implícito que se vc não prestar muita atenção vc não vai perceber ou vc vai pensar será que é isso mesmo ou eu que to vendo coisa onde não tem; c) não tem relacionamento entre mulheres apesar de poder ter pq as bases estão ali e elas já tiveram relações sexuais, mas danny e a cercei deixam muito claro que elas usam essas outras mulheres apenas para obter prazer pq elas amam mesmo os caras, elas se veriam em um relacionamento amoroso com o dario ou com jamie, e as cenas de sexo ainda vão ser descritas da forma mais revoltante possível, eu desacreditei no que eu tava lendo na cena da cersei, tipo vc não pode aproveitar isso como uma mulher, vc tem que se colocar lá como um homem mesmo pq né é assim que funciona, uma tem que ser o “homem” da relação, só que não; d) o personagem vai ser bissexual, mas vc só vai saber isso pq a gente vai te lembrar várias vezes que ele costuma dormir com homens também, pq apesar de ele ter tido vários amantes de ambos sexos vc nunca vai conhecer um amante homem que ele teve, mesmo que a amante mulher tenha servido só de acessório pra ele quando ele foi pra kingsland pq ele ter levado um cara no lugar de uma mulher não ia ter feito a mínima diferença ali, e essa mulher ainda poderia ter aparecido depois sem problemas, como a gente sabe ele tem vários amantes; e) vc vai saber que esse personagem é gay pq uma personagem feminina vai te lembrar toda hora que ele não olha pra ela com desejo mesmo quando ela tem uma parte corpo exposta e todos os outros tão morrendo por ela, ele ta lá olhando pro corpo de outro homem na frente dela sem a mínima consideração, e óbvio ela fica revoltada pq ele a está “cortejando” e não consegue nem disfarçar.
    Enfim é frustrante, isso não impede uma boa história ser contada e um universo incrível ser criado, só que são coisas que podem ser superadas, pegando por exemplo penny dreadful que faz uso de uma série de tropes problemáticas principalmente na segunda temporada, mais o que eles usam vai ter uma motivação e um resultado diferente do esperado, a série tem nudez feminina o tempo todo mais aquela nudez não é sexualizada pq as personagens estão lá pra te fazer medo não pra serem bonitas e desejadas; o monstro mal compreendido quer criar uma noiva perfeita pra ele, mas tanto para o monstro como para o criador a situação vai ter uma reviravolta. Mortes de certas personagens vão ocorrer não por manpain mais pra mostrar a verdadeira natureza deles e até mesmo fazer vc parar de simpatizar com eles como simpatizava antes. Ou se for criar personagens saídos de um molde que façam como em orphan black onde cada personagen seria teoricamente um esteriótipo mais que se transforma em algo super tridimensional.
    Mas eu sei que são histórias e universos e formatos diferentes, só citei isso pq mostra que não é impossível, porque a gente sabe que não é impossível ser feito. Eu ainda gosto da cronicas de fogo e gelo, mas pessoalmente eu to mais interessada na história no geral do que nos personagens.
    Eu me deixei levar aqui esse comentário longo e meio confuso, deveria ter comentado no outro knurd quando a discussão era essa, nem disse exatamente o que eu queria dizer sobre a sansa, mas não sei se dentre de todos os motivos que me deixam “revoltada” com essa história o estupro dela estaria num nível maior ou menor, pq acontece no livro com outra personagem e algumas pessoas não se incomodam da mesma forma, eu sei que a serie é outra plataforma mais impactante do que o livro pra maioria e a personagem é menos importante que a sansa embora vc a conhecesse e saiba que ela também representa o mesmo que a sansa a differença é que ela não era tão nobre e importante pro plot, mas enfim…a sansa continua sendo assediada frequentemente no livro. O que me irrita é que muitas vezes crueldade contra as personagens ser utilizada como ferramenta para dar “profundidade” não é o que de fato acontece muito da tortura presente no livro é gratuita.
    Reconhecer que tal coisa é problemática faz parte da experiência, não dá pra fechar os olhos pro que acontece, acho que muitas pessoas defendem muito algumas coisas problemáticas pq elas sentem que devem mostrar que aquilo não é algo ruim, pq talvez elas achem que se dizerem pros outros que elas gostam daquilo e esses outros tiverem uma noção de todos os problemas que aquele material tem, eles vão achar que vc é uma pessoa que concorda com aquela mensagem e é uma pessoa problemática by default.

  • LANA

    AMO VCS mas por favor tentem upar o arquivo em um tamanho menor, minha internet é só de 1mb mas não quero ficar sem o jcast :(~~~~~~~~

  • Matheus Marvila

    Gosto tanto de ler os comentários, mas as pessoas estragam tudo com os textões

    • Matheus Marvila

      e o carinha lá embaixo falou bastante “uzomismo”