Knurd Report #39

Participantes: Darkonix e Laivindil


Download
“Nunca abandone suas três grandes e inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé.”
Desconhecido

“Lavo as minhas mãos na inocência; e assim andarei, Senhor, ao redor do teu altar. Para publicar com voz de louvor, e contar todas as tuas maravilhas.”
Salmos 26 – Bíblia

Onde se discute a tênue linha que separa a gratificação de fãs e a integridade frustrante de uma obra, se analisa o drama cotidiano que sufoca o que deveria ser empolgante e grandioso, se debate até que ponto é ou não apropriado ser o único fantasiado de um grupo de pessoas boas demais para isso e se dá uma única conclusão para todos esses pontos, conclusão essa que se resume a quão mal ator Finn Jones parece ser. Também se mergulha fundo nas múltiplas interpretações do mais intenso livro de Stephen King (se essa é nossa opinião, então deve ser tratada como verdade universal) e se tenta analisar a inevitável ainda que tardia adaptação cinematográfica com o máximo de separação possível, ainda que se deixe escapar certas notas da flagrância de decepção que exala do filme. Outras conclusões são tiradas, como a que diz respeito a Death Note e sua não-tão-ruim-assim adaptação, e percebe-se uma estranha ausência de blocos dedicados a desabafos, auto-ajuda, militância gay, religiões de matriz africana ou falta de preparo para enfrentar o mundo material. Também não se fala nada a respeito de Bolsonaro, mas tenho a impressão de que esse assunto ainda está para ser tratado no podcast.

Featuring music: Baco Exu do Blues – Abre Caminho e niLL – Meliodas. Emails serão bem vindos em [email protected]

(00:02:02-00:34:40) Iron Fist
(00:34:41-00:46:29) Game of Thrones
(00:46:30-01:15:53) The Defenders
(01:15:54-01:42:58) Kingsman: The Secret Service
(01:42:59-01:57:02) Death Note
(01:57:03-02:05:14) Master of None
(02:05:15-02:29:11) It
(02:29:12-02:38:00) Buffy the Vampire Slayer

  • José Verissimo

    Oi. Ainda existo. Ainda ouço vocês sempre. Ainda tenho esperanças em podcasts de 24h. Embora ele tenha estado mais próximo =
    Talvez eu consiga atingir este feito antes de vocês, visto que meu podcast tá tendo uma quantidade provavelmente não saudável de episódios de mais de 3h (o mais recente deles, inclusive tem lá influência do Darko porque fui atrás de Medaka Box depois de uma citação dele) haushsauhsauhsauh
    Sinto bastante falta de JCasts… O Knurd é legal, mas volta e meia eu tenho interesse em metade dos assuntos =P
    Sobre este episódio, queria dizer que o review do Laivindil sobre Death Note do Netflix foi o mais positivo que vi por aí e concordo em parte com ele… Na parte do morno… Só que pra mim o morno é o que o filme atinge de melhor, achei ele contraditório em si mesmo, além de por ser uma adaptação ele capta muito pouco das propostas do original… Não tem personagens principais de intelecto superior entediados e consequentemente não há duelo de intelectos. Não tem dilemas sobre justiça, não tem quase nada… Ainda assim, enquanto filme por si só, ele é morno até uns 2/3… Tem uma “Misa” até interessante, e como dito, o L não faz nada muito genial mas ok. Esse Kira é meio lamentável (e a justificativa do nome é bem idiota), mas tá, passa. Tem uns gore desnecessários, mas ok. Aí vem o “fator Watari”. E o filme despiroca completamente, junto com o L, que muda completamente de personalidade, a direção fica estranha, o Kira fica inteligente, achei bem lamentável…
    O Punho de Ferro foi uma série ruinzinha… É tão irregular, com vários elementinhos que parecem ter potencial, mas tomas umas direções meio ruins… E como é difícil atuar o Danny, gezuz… Senti a mesma estranheza de vocês com relação a Gal ao longo das séries, e acho que a ideia de fazer a Koe uma nova Iron Fist seria muito melhor.
    Defensores melhorou bastante em relação à série anterior. Foi uma aventura fanservice divertida.
    Como é que acaba mesmo? Oh, sim, sigam produzindo esses podcasts maravilhosos. E tomara que consigam engatar uma sequência mais frequente mesmo =). E tomara que saiam alguns JCast nesse esquema. Pronto. Acabei. Tchau. Fui. Ah, é, aquilo no final é a Dri aquecendo coxinha no microondas? hasuhsaushaus
    Agora tchau. De novo.