JCast #168

Rant: Community, Prometheus, The New 52 e Dark Shadows
Papers: Propaganda na Segunda Guerra Mundial
Trend: Aniversário do Grande Terremoto de Nome Melodramático
Participantes: Darkonix e Laivindil

Quando você menos espera a gente volta. Quem eu quero enganar? Ninguém estava esperando mais. Por isso tentamos fazer uma edição com 5 horas de duração, pra poder compensar. E falhamos miseravelmente, parece que tem 20 minutos de podcast mais ou menos. Nesse tempo fora fizemos uma reciclagem mental e espiritual em um mosteiro acessível somente para aqueles de coração puro (a gente hackeou a segurança) e aprendemos a ser sucintos. Tudo bem que nessa era da pressa, em que seus sentimentos têm que ser jogados ao vento em 140 caracteres ou menos tornando assim tudo muito mais superficial, tornando a punchline mais importante do que a mensagem, tudo o que nós não precisamos ser é sucintos. Nós temos a chance de falar e falar e falar sem parar e não estamos presos a nenhuma restrição interna ou externa. Então eu digo foda-se o mosteiro (não, tipo, é um exagero para fins dramáticos, eu não quero que o mosteiro se foda, aliás, a gente nem esteve lá de verdade) e vamos simplesmente falar o que der na telha. A gente vai ofender (mais) muita gente no processo, mas palavras não têm poder. Elas não ficam gravadas no éter e germinam idéias que se tornam atos. Isso é alarmista demais. Deu medão hein. Melhor só calar a boca e assistir anime. Continue lendo “JCast #168”

JCast #140

Rant: Faxina de Primavera, Hideo Kojima, o desespero pra agradar ocidentais e o Tumblr
Trend: Situação política pós-terremoto
Review: Eve no Jikan

Participantes: Darkonix, Laivindil e Yohan

JCast é igual menstruação. A gente demora mas chega. E ainda dá aquela sensação quentinha gostosa. Já começo cometendo dois erros: insistindo por tempo demais em uma piada que deveria ser rápida, tornando-a assim excessivamente grosseira e insinuando saber como uma mulher se sente ao menstruar. Mas exageros e suposições são a base fundamental desse podcast e levamos nossas bandeiras muito a sério. Hoje por acaso estamos comedidos e bem informados, porém não se acostumem. Não gostamos muito de elevar o padrão para não deixar ninguém mal acostumado, mas não conseguimos fazer porcaria. E agora somos metidos também. Uma pitadinha de marketing pessoal não faz mal a ninguém. Precisamos fazê-lo assim que vem a inspiração, mesmo que fora de contexto, já que o impulso passa rápido. Fazer o quê, quem se garante não precisa de constante auto-afirmação. Ouch. Vamos parar logo que hoje estamos que estamos. Isso foi a versão no plural na expressão idiomática “Eu tô que tô”.

(00:00:44-00:14:44) Rant: Faxina de Primavera, Hideo Kojima, o desespero pra agradar ocidentais e o Tumblr

Vamos limpar tudo que faz pra alma. Joguem tudo fora, principalmente se for dos outros. É só uma experiência social. Observe com curiosidade científica como sua mãe vai te odiar pra sempre, só porque você jogou fora algum livro velho dela. Depois se mata, pois não se joga livro fora. E prometemos nunca mais falar da crise no mercado de entretenimento japonês. A não ser que vá à falência de vez. O potencial dramático é grande demais pra ser ignorado.

Trilha: Gogol Bordello – Trans-Continental Hustle

(00:15:27-00:37:07) Trend: Situação política pós-terremoto

Terremoto, desastre nuclear, japoneses nem tão desesperados assim… oh, deja vu. Não faz muito tempo a confusão estourou no Japão, fizemos um bloco a respeito e agora tá na hora de algumas pequenas atualizações. Como que anda o nosso amiguinho Nuclear Boy? É ou não verdade que o povo japonês anda entediado com o primeiro ministro, tipo assim, outra vez? Os cientistas que iam morrem já morreram? *Insira pergunta não relacionada aqui, para dar um toque nonsense indispensável em gags como essa*.

Trilha: Siam Shade IX – A-side Collection

(00:37:43-01:26:06) Review: Eve no Jikan

Amamos andróides, ainda mais aqueles que desenvolvem sentimentos e querem direitos iguais. Sim, antes que você termine esse bocejo, digo que Eve no Jikan tem esse elemento mas não é somente sobre isso. Em um mundo em que todas as histórias foram contadas, se destaca quem faz a reprise mais criativa. E nossa função é garimpar quais histórias valem a pena serem apreciadas mais uma vez. Ainda mais porque dizem ter um Chobbit na novela da Globo, então a Flávia Alessandra é oficialmente a primeira andróide na vida de muitas crianças. Pais, Mães, Irmãos mais velhos, Pedófilos: é nossa função como responsáveis por seres mais novos em formação de caráter fazer muito mais que pagar as contas, espancar ou passar a mão boba. Temos que apresentar bom sci fi. E bom drama. E tudo isso junto de um jeito que só os japoneses têm feito muito bem ultimamente. E ingleses, pra não dizer que não teve referência a Doctor Who essa semana.

Trilha: Are you listening to the time of EVE?

Aviso que esse podcast foi editado de madrugada, entre cochilos, então se em algum momento atendermos o celular e ficarmos por 5 minutos conversando com nossas mães, não liguem. Se dissermos algo que pode nos complicar judicialmente, pelamordedeus, não liguem também. Por favor. Enfim, mandem emails para [email protected] que logo teremos um Feedback, e até semana que vem!

I Put A Spell On You

JCast #128

Rant: Obama no Brasil, jabá e a falta de Madoka Magica
Papers: Terremotos e a Arquitetura Japonesa
Trend: Grande Terremoto de Touhoku
Review: Tokyo Magnitude 8.0

Participantes: Darkonix, Laivindil, Sofia e Yohan

Timing perfeito. Mal comentamos sobre terremotos semana passada, como quem não quer nada, e acontece novamente. Dessa vez é só o maior da história. Só que por mais que queiramos nos preocupar, a calma dos japoneses é irritante. Queremos ver histeria, choro, perda e sofrimento. Não tem tom de voz apocaliptico que segure muito tempo o clima épico e sem esperanças que a mídia precisa vender. Infelizmente então, sobrou para nós do Jcast a missão de garimpar informações e tentar deduzir o que diabos realmente está acontecendo por lá, sem deixar de revisitar tremores antigos e de respeito. Todos sabemos que o Japão é todo voltado para essa coisa de respeito aos ancestrais. Nada melhor do que falar um pouco dos Terremotos-Sama de ontem, de hoje e de sempre. Pra fechar o ciclo, como temos TOC e tudo precisa ter a simetria narrativa perfeita, encerramos com o review de uma singela e tocante obra chamada Tokyo Magnitude 8.0.

(00:00:26-00:05:50) Rant: Obama no Brasil, jabá e a falta de Madoka Magica

Obama no Brasil, Yohan revoltado com a falta de Madoka Magica e ninguém se importa com as questões relevantes de verdade, como o absurdo que é o uniforme da Mulher Maravilha em seu novo Live Action. Pense em Power Rangers pornô.

Agenda Cultural 26 – O Proibidão
Revista Neo Tokyo nº 61

Trilha: Yoko Kanno – Wolf’s Rain OST 1

(00:06:08-00:26:12) Papers: Terremotos e a Arquitetura Japonesa

Uma geral nos terremotos passados e na evolução forçada da arquitetura japonesa, cada vez mais preparada para os golpes baixos de Gaia. Eu amo meu planeta, acho ele muito sexy, mas quando o fofinho acorda de mal humor… nos lembramos que somos apenas grãos de poeira cósmica. JCast hoje está todo bicho-grilo.

Trilha: Yoko Kanno – Wolf’s Rain OST 1

(00:26:35-01:08:48) Trend: Grande Terremoto de Touhoku

Uma grande tragédia se abateu no nosso querido Japão e os olhos do mundo se voltam apreensivos para o frágil arquipélago. Enquanto as emissoras de TV torcem por uma grande explosão nuclear, nós e o Nuclear Boy tentamos explicar que a coisa não é tão simples. Paradoxalmente, a coisa é até mais tranquila do que se pensa. Claro que no fim das contas podemos estar completamente errados, iludidos pela perfeita Poker Face dos nipônicos. Vamos torcer para não ser esse o caso.

Tsunami – Antes e Depois
FYI: How Does Nuclear Radiation Do Its Damage?
How Nuclear Reactors Work, And How They Fail

Doações
Cruz Vermelha Brasileira
Cruz Vermelha Americana
Exército de Salvação
Visão Mundial
GlobalGiving

Trilha: Yoko Kanno – Wolf’s Rain OST 1 e 2

(01:09:29-01:45:43) Review: Tokyo Magnitude 8.0

Esse é mais um anime do Noitamina e segura orgulhosamente a boa tradição desse bloco. Também está sendo reprisado atualmente no Japão, o que é uma grande ironia do destino. Para completar a temática catástrofe, a gravação em si desse podcast foi desastrosa. Por isso que a Sofia surge no começo, some, e participa rapidamente no final do bloco. Desculpe-nos Sofia. Provavelmente os deuses acharam que fomos longe demais. No geral, descubra conosco como um terremoto pode curar o aborrecente dentro de você.

Trilha: Koh Otani – Tokyo Magnitude 8.0 Original Soundtrack

Essa edição do JCast assumiu fácil, fácil o posto de mais conturbada, só não sendo superada pela vez em que eu tive dengue. Pelo menos combinou com o clima de catástrofe. Ah, pra quem está se perguntando, a música no final é Kimi de ite, Buji de ite, composta e cantada pela insuperável Yoko Kanno, para arrecadar fundos e doar pra quem tá precisando. Mandem emails para [email protected], nos visitem em www.jcast.com.br caso estejam nos ouvindo na Kombo e até semana que vem!

01:28:14-02:06:26